Pós-Luta

Publicado em 07 de Maio de 2017 às 01h:25

Canelo vence saco de pancadas com braços nos EUA; Volante defende seu título em Santos

AutorDaniel Leal


Saul Alvarez não ganhou nada, além da bolsa, ao vencer Julio Cesar Chavez Jr., que deve ter ficado no México, pois não entrou no ringue neste sábado, em Las Vegas. Já em Santos, Rose Volante teve uma aguerrida adversária, em evento transmitido no Facebook pelo Round13. (Imagem: AP)

Se a intenção da Golden Boy Promotions era uma luta lucrativa e fácil para Saul “Canelo” Alvarez (49-1-1, 34 ko's), ao escolherem Julio Cesar Chavez Jr. (50-3-1, 32 ko's) como seu adversário para esta noite de sábado, em Las Vegas, eles acertaram na mosca. O filho da lenda mexicana foi praticamente um saco de pancadas para seu conterrâneo, sendo totalmente dominado muito mais por seu demérito, do que por méritos vindos do córner oposto.

O combate começou com Chavez apenas circulando e se defendendo, enquanto Canelo arriscava, acertando mais. Conforme encurtava a distância, Alvarez não economizava os uppers durante o segundo assalto, continuando a sobressair. Basicamente nada do que JC Jr. fez em todo o primeiro quarto de luta, se é que fez algo, deu certo.

O quarto assalto foi ainda melhor para Saul, que fazia o que queria diante de um “Chavito” passivo e pior no jab, apesar de possuir maior envergadura. No quinto, mais socos limpos ainda à favor de Canelo. Na sexta e sétimas passagens, Chavez Jr. deixou claro seu medo, ao não atacar nem quando seu adversário estava encostado nas cordas, aguardando sua ação.

E após doze agoniantes assaltos aonde só um batia, enquanto o outro apanhava, foi a anunciado o óbvio: Vitória de Saul “Canelo” Alvarez por decisão unânime com marcações em 120-108, idens á nossa.

Esse resultado, se muito, serve para Canelo conquistar os seus irmãos do México. O combate não empolgou e Chavez não impôs nenhuma resistência, contentando-se com a bolsa gorda e o “blá blá blá” promocional. Uma desonra para seu sobrenome, único trunfo seu até hoje. Chega de desculpas. É hora de Alvarez encarar Gennady Golovkin, e pelo papo pós luta em cima do palco, deve mesmo acontecer, no mês de Setembro.

Na principal preliminar, David Lemieux (39-3, 33 ko's) venceu Marcos Reyes (35-5, 26 ko's) por decisão unânime com placares de 99-90 (duas vezes) e 98-91.

Em outra semifinal, o argentino Lucas Matthysse (38-4, 35 ko's) retornou após um ano e sete meses ao quadrilátero e não decepcionou. Agora como meio-médio, suplantou Emmanuel Taylor (20-5 14 ko's), por nocaute técnico, após derrubar o norte-americano pela segunda vez.

O evento teve transmissão ao vivo para o Brasil, através do SporTV2.

Rose vence argentina invicta e defende cinturão latino do CMB

Em uma luta muito bem disputada, Rose “The Queen” Volante (11-0, 6 ko's) manteve seu título latino das pesos-leves pelo Conselho Mundial de Boxe ao passar pela argentina Yamilla Belen (5-1, ko's), por pontos, após dez assaltos.

Volante começou mostrando a que veio, atuando bem na longa e na média distância. Nas ocasiões em que aceitava o jogo de “in fight” de sua adversária, não conseguia impôr tanta vantagem. Isso acabou gerando alguns momentos emparelhados, mais complicados para a brasileira. Méritos da dura Yamilla, que veio a Santos para ser campeã, e não apenas para receber sua bolsa.

Ainda assim, Rose é superior tecnicamente e demonstrou isso sabendo cadenciar a luta aos poucos, levando vantagem e ficando tranquila, sem se afobar e se expor tentando o nocaute. Com isso venceu todos os assaltos em nossa papeleta (100-90). Os jurados apontaram 98-92, 100-91 e 100-90. Vitória de forma unânime para “The Queen”, que pode subir no ranking do CMB. Atualmente ela ocupa a 4ª colocação no tabelamento.

Na principal preliminar, Felipe Pedroso (15-2, 13 ko's) encarou um valente Paulo Santos (3-8-2, 3 ko's), na divisão dos super-médios, mas não deixou o confronto seguir até o sexto e último round pactuado. Com seus golpes duros no corpo, Felipe minou Paulo até derrubá-lo duas vezes. No terceiro assalto, o árbitro José Borges interrompeu, com toda razão, as ações, após Santos quase beijar a lona novamente.

Danila Ramos (2-0, 0 ko's) mostrou o bom boxe de sempre diante de Morgana de Cassia (0-1). Morgana começou bem, mas já demonstrava cansaço na segunda metade do primeiro giro. Com isso, passou a ameaçar menos Danila, que, com sua velocidade, passou a conectar muitos socos após encontrar a distância. A nítida impressão era de que, se fosse um embate de maior duração, o nocaute à favor de Ramos seria o resultado lógico. Mas, dessa vez, seu êxito veio por pontos, de forma unânime. O Round13 pontuou o confronto 40-36 para Danila.

Carlos Henrique “Pitbull” (2-0, 2 ko's), impressionou novamente. Depois de nocautear Breno Rangel em Março, dessa vez tirou a invencibilidade de Helio Sabotagem (2-1, 0 ko's). Foi mais complicado, até pela dureza do adversário, mas Pitbull conseguiu vencer após cortar Sabotagem no lado interno da sobrancelha direita. Com isso o árbitro Walmir Giolli, que já havia chamado o médico anteriormente, encerrou a contenda decretando o nocaute técnico à favor de Carlos Henrique, que além dos méritos sobre o golpe que cortou Helio, também estava melhor em cima do tablado.

Peter Venancio Jr. (2-0, 2 ko's) novamente passou pouco tempo sobre o ringue. Dessa vez, venceu Adriano Martins (0-13), ao partir para cima com tudo logo no primeiro intervalo, acertando duro punch no corpo, do qual o oponente não conseguiu se recuperar, ouvindo a contagem até o “dez”.

A noitada, apoiada pelo Memorial, Prefeitura de Santos, Beneficiência Portuguesa de Santos e Mendes Plaza Hotel, foi supervisionada pelo Conselho Nacional de Boxe, também contando com três apresentações amadoras e teve transmissão do Round13 através do Facebook da página BOXE EVOLUTION.

Comentários